6 sinais de que é hora de modernizar seu ambiente de TI

A pandemia trouxe à tona um tema que era bastante recorrente nas conversas de líderes da TI, mas que frequentemente fazia parte de planejamentos apenas de longo prazo: a transformação digital. Nos últimos meses, o coronavírus acelerou a modernização de empresas dos mais variados portes e segmentos, trazendo também o grande desafio de digitalização de negócios, para que fosse possível atender um mercado cada vez mais dinâmico e ágil.

Mais do que modernizar o negócio, a transformação digital permite às organizações a adoção de ferramentas que se traduzem em ganho de eficiência operacional da TI e do negócio, com maior produtividade, escalabilidade e flexibilidade. E, para isso, a computação em nuvem entra como elemento habilitador desse novo cenário.

“Nada disso seria possível sem cloud e sem grande hyperscales, como Google Cloud, Amazon AWS e Microsoft Azure, que deram todo o suporte de escalabilidade infinita a organizações, de modo que elas suprissem a demanda que a atual conjuntura gerou”, comenta Diego Wachholz, Field Systems Engineer da Veeam.

Transformação digital: é hora de atualizar seu ambiente de TI?

A transformação digital passou a ser essencial para negócios que querem continuar relevantes agora e no futuro. E, mesmo com desafios, é preciso acelerar o passo. “Não existe outra hora para fazer essa mudança que não seja agora. Não é mais uma questão de ser um desejo da TI, ou a ambição pessoal de alguém. A questão é: se não foi feito, o negócio vai ficar para trás”, sintetiza Wachholz.

Para isso, há alguns sinais urgentes que precisam ser considerados e endereçados quando o assunto é digitalização de negócios. A seguir, seis sinais que líderes da TI precisam observar para identificar se é hora de atualizar o ecossistema de tecnologia em prol de um negócio, em linha com a transformação digital.

1. Alto volume de sistemas legados

À exceção de empresas que nasceram digitais, nativas da nuvem, toda organização tem algum tipo de legado com o qual precisa lidar. E esse é o primeiro sinal de que é preciso atualizar.

“Toda organização com uma história maior, ou seja, que não nasceu nos últimos cinco, sete anos, carrega um legado. Algumas em maior grau; outras, em menor. No geral, empresas com uma área de TI muito grande têm esse legado em grau elevado, e esse tipo de sistema não consegue acompanhar o ritmo digital dos negócios”, observa Wachholz.

Segundo o especialista, empresas que, de alguma forma, ainda não começaram a trabalhar para modernizar ambientes em prol da transformação digital já estão atrasadas.

2. Baixa adesão à nuvem

Durante muito tempo a computação em nuvem foi vista como inimiga. O modus operandi tradicional foi, por anos, a compra de hardwares complexos para a composição de ecossistemas que precisavam ser atualizados constantemente para acompanhar o crescimento do negócio – o que, em última instância, representava grandes valores investidos tanto em equipamento quanto em data center e em pessoas especializadas para operá-los corretamente.

Com a nuvem, isso foi se transformando aos poucos. A cloud chegou como sendo a grande habilitadora da transformação digital. Isso porque, a partir dela, foi possível trazer ganhos em escala e flexibilidade que os mais modernos negócios necessitam para acompanhar o ritmo acelerado de crescimento do mercado e a demanda de clientes.

“Não é que ambientes on-premise vão deixar de existir, mas a nuvem ganhou impulso e outro apetite nessa conjuntura atual”, diz Wachholz. Para ele, os receios e medos que existiam com relação a implementar a computação em nuvem ficaram para trás, “porque a cloud se traduz em agilidade para crescer, para mudar”, completa. Além disso, a característica de elasticidade da nuvem e a proposta de modelos de pagamento por consumo se tornaram grandes atrativos, na opinião do executivo.

3. A área de TI apartada da área de negócios 

Em resumo, se a área de TI ainda trabalha apartada da área de negócios, este é um sinal claro de que alguns quesitos precisam sofrer uma atualização rapidamente. “A pandemia, mais do que nunca, transformou o negócio e a TI em uma coisa só”, afirma Wachholz.

Esse pensamento é salientado por Alessandra Montini, diretora do Labdata, laboratório de big data da FIA, e consultora especialista em Big Data e Inteligência Artificial, que afirma que o “alinhamento entre negócios e tecnologia pode evitar muitos prejuízos e ajuda a criar e abrir novos caminhos de negócio”, aponta a especialista.

4. Cultura de inovação implementada na prática

A transformação digital é sobre a adaptação da cultura do negócio. É preciso ter um ambiente preparado para implementar novas tecnologias, especialmente para que essas ferramentas possam, de fato, ser aproveitadas integralmente e, assim, gerar valor ao negócio.

“Nas duas últimas décadas, um dos assuntos mais comentados entre os líderes da maioria das empresas foi tecnologia, e muito se falava na importância e nos benefícios ao se dedicar a projetos nessa área, porém, foram poucas as empresas que se dedicaram a criar uma cultura que abrange todos os aspectos físicos e digitais”, afirma Alessandra.

Wachholz corrobora com essa ideia. Para ele, a mudança de mindset é essencial para que a transformação digital possa ser posta em prática. “É preciso pensar diferente”, resume.

5. Estrutura tecnológica x Estrutura de recursos humanos

A velocidade com que as demandas de clientes chegam aos negócios é alta. Por isso, uma das principais características de equipes modernas e digitais é a possibilidade de se comunicar rapidamente. A infraestrutura tecnológica da empresa também precisa atender o negócio nesse ponto de vista, munindo equipes com ferramentas que as tornem ágeis e produtivas.

“Em um mundo em que temos uma comunicação assíncrona, gestão descentralizada e a maior parte da equipe trabalha de forma remota [link para o post sobre home office], um grande fator que deve ser levado em consideração na hora de atualizar o ambiente é a comunicação da equipe e o tempo de resposta para problemas recorrentes”, argumenta Alessandra.

Para a expert, também é preciso atentar-se à produtividade. “Por isso, é preciso ter uma gestão eficiente de projetos, acompanhamento de entregas e mensuração de resultados, e tudo isso deve ser dinâmico, de fácil utilização entre todos da equipe, e também acessível de qualquer lugar”, diz. Se o seu ambiente ainda não está adaptado a essa nova realidade das equipes, este também é um sinal de que seu ecossistema está defasado.

6. Estratégia de proteção de dados limitada ao simples backup

Ainda hoje, muitas empresas, apesar de acreditarem ter uma estratégia de proteção de dados, resumem todas as iniciativas a um simples backup. “Muitas organizações já sabem que quando falamos em estratégias de proteção de dados, é necessário envolver várias etapas tecnológicas, segurança e legislação. Porém, muitas vezes, o foco operacional está em resolver outras situações tidas como mais importante, e a forma mais simples acaba sendo o backup de dados, que, no caso de algum problema, apenas se recuperam os dados mais recentes e recomeça-se tudo novamente”, salienta Alessandra.

A especialista, no entanto, lembra que essa simplicidade pode custar caro em caso de ataques cibernéticos mais elaborados. “Se sofrerem um ataque de ransomware, como o ocorrido no começo de 2017 com o WannaCry, as empresas perdem o acesso a esses dados e, consequentemente, têm de fechar as portas”, alerta.

Nenhuma empresa está imune a ataques cibernéticos, e uma das formas mais eficazes de se proteger é manter os dados armazenados e sempre atualizados em um ambiente seguro e com tecnologias que lidam bem com esse tipo de ataque.

“Ter uma estratégia de proteção de dados é fundamental para empresas que coletam, processam e armazenam informações confidenciais. Uma estratégia bem-sucedida pode ajudar a prevenir perda, roubo ou inconsistência nos dados e pode ajudar a minimizar os danos causados em caso de ataques ou falhas”, afirma.

Para estabelecer uma boa estratégia de proteção de dados, Alessandra acredita que é preciso, antes de tudo, alinhar questões como: “quais são os objetivos e as prioridades da minha empresa? Esses objetivos são consistentes em toda a minha organização, ou apenas para parte dela? As tecnologias adotadas estão de acordo com nosso objetivo?”, aponta.

Assim, continua ela, tendo alinhamento entre negócios e tecnologia, pode-se mitigar e até mesmo evitar “muitos prejuízos, bem como ajudar a criar e abrir novos caminhos de negócio”, justifica.

A proteção de dados se tornou pré-requisito essencial para negócios que querem se manter ágeis, eficientes e preparados para o futuro. Fale com um de nossos especialistas e descubra como a Veeam pode ajudar você na transformação digital do seu ecossistema de TI.


Leia também:

NOVO
V11A

Elimine a perda de dados
Elimine o ransomware

#1 Backup and Recovery

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.